Posts com a Tag ‘moc’

Alô, Bahia! O Intercâmbio é aqui!

21 de outubro de 2016 | Publicado em Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira

Tem tempero baiano neste VI Intercâmbio!

Chegou a vez da Bahia!

13 de outubro de 2016 | Publicado em Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira

interc

A Bahia é um dos estados participantes do VI Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira. Entre os dias 15 e 22 de outubro, um grupo de onze jovens rurais, de diferentes estados do país, conhecerá a realidade rural do território do Sisal. A iniciativa é uma ação da Rede Jovem Rural, coordenada pelo Instituto Souza Cruz, e foi reconhecida em 2015 como um estudo de caso pela Comissão Europeia, que capitaneou uma pesquisa internacional sobre os regimes de intercâmbio direcionado a jovens rurais no mundo.

Os jovens serão recebidos pelo MOC, que contribui, há mais de 40 anos, para o desenvolvimento sustentável do semiárido baiano. No período de uma semana, os intercambistas – oriundos do Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Pernambuco – participarão de atividades culturais, visitas técnicas a agricultores familiares e cooperativas, entre outras ações. A iniciativa passará pelos municípios de Riachão do Jacuípe, Retirolândia, Santaluz e Conceição do Coité. O intercâmbio será encerrado com um tour em Salvador.

Os participantes também pernoitarão nas casas de agricultores familiares, tendo um contato mais próximo com o dia a dia da região. No retorno para seus estados de origem, poderão adaptar esses conhecimentos às suas realidades. Siga a Rede Jovem Rural e acompanhe tudo sobre a etapa!

Vai começar o VI Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira!

16 de junho de 2016 | Publicado em Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira

6inter_blog

No dia 2 de julho, terá início a sexta edição do Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira! A iniciativa proporcionará a 55 jovens do campo a oportunidade de conhecer diferentes realidades rurais do país. Seis estados e seis organizações não governamentais, que investem em projetos de Educação do Campo, estão envolvidos na ação.

O intercâmbio será dividido em cinco etapas, e segue até 26 de novembro. Nesse período, os participantes terão uma vivência de sete dias em outro meio rural, onde trocarão experiências, aprenderão novas técnicas agrícolas, conhecerão tecnologias alternativas, farão visitas a propriedades de agricultores familiares, entre outras atividades. No retorno para seus estados de origem, poderão adaptar os novos conhecimentos à sua realidade.

O VI Intercâmbio da Juventude Rural é coordenado pelo Instituto Souza Cruz, que, junto com outras cinco organizações, integra a Rede Jovem Rural. Vale lembrar que em 2015, ele foi reconhecido como um estudo de caso pela Comissão Europeia, que capitaneou uma pesquisa internacional sobre os regimes de intercâmbio direcionado a jovens rurais no mundo.

Em cada mês, será realizada uma etapa em um estado diferente, conforme o calendário abaixo:

Etapa 1

Data: 2 a 9 de julho
Instituição receptora: Mepes
Estado: Espírito Santo

Etapa 2

Data: 23 a 30 de julho
Instituição receptora: Serta
Estado: Pernambuco

Etapa 3

Data: 10 a 17 de setembro
Instituição receptora: Ibelga
Estado: Rio de Janeiro

Etapa 4

Data: 15 a 22 de outubro
Instituição receptora: MOC
Estado: Bahia

Etapa 5

Data: 19 a 26 de novembro
Instituição receptora: Arcafar/Sul
Estados: Paraná e Santa Catarina

“A melhor Jornada”

4 de novembro de 2015 | Publicado em Jornada Nacional do Jovem Rural

clecio santana

Por Clécio Santana*

A VI Jornada Nacional do Jovem Rural é um espaço diferente de muitos que discutem assuntos pertinentes à juventude brasileira. Primeiro por ser produzida na perspectiva de atender aos jovens do campo, uma classe que sempre foi vista (ou não vista), como inferior e sem nada a oferecer. Os próprios jovens rurais, já haviam internalizado essa má ideia e assim acabaram se retraindo e fortalecendo esse discurso. Há muito já se ouvia falar em movimento juvenil no Brasil. Porém, quem eram esses jovens? Jovens urbanos, estudantes de colégios, faculdades… Os jovem rurais contentavam-se apenas com sua simples escola de uma única sala multisseriada e eram felizes sem ter que organizar-se em protestos em favor dos seus direitos; faltava água boa, faltava merenda, faltava livros, não tinham merendeira, servente, auxiliar de ensino, nada disso. Mas éramos felizes.

A minha inserção no movimento de juventude rural começou na Associação Comunitária e foi me levando para mais além: do Sindicato Rural ao Coletivo Regional de Juventude e Participação Social abrigando o Coletivo Municipal de Jovens. Isso tudo para dizer que foi assim que compreendi a importância que tem o jovem rural é a perder de vista. Jamais podemos nos contentar com o pouco que nos é oferecido porque nós, jovens rurais, temos muito a dar. Quem passa pelo movimento social se torna outra pessoa. Um jovem que abraça as oportunidades de crescimento, torna-se rico; adquire uma formação que brota de dentro e transcende como um farol.

O jovem politizado, consciente dos seus direitos e seus deveres, torna-se uma ameaça à burguesia e aos governos elitistas acostumados à sua boemia restrita a si. Assim, compreendo que os espaços da Jornada e do Intercâmbio da Juventude Rural são como uma máquina de produção de ideias e compartilhamento de conhecimentos. Os painéis, oficinas, visitas e espaços paralelos são uma engrenagem contínua de produção.

pedro paula

Nem só no palco principal, em se tratando da Jornada ou nos destinos finais, em se tratando do Intercâmbio é que se discute sobre jovens rurais. Eu noto que nos corredores, nos aeroportos, no trânsito, nos quartos da hospedagem, e em outros cantos, os jovens estão falando deles mesmos, das suas vivências, suas opiniões. Eu gosto muito de observar quando há jovens discutindo, debatendo e até travando embates sobre assuntos que envolvem a juventude e que geram opiniões divergentes; isso é muito importante.

O tema dessa Jornada em 2015, foi um tema que eu considero de grande relevância para os jovens rurais. A cultura é o tecido de um povo. É uma pena que ainda não tenhamos alcançado a verdadeira importância que tem a cultura para um povo. Ter debatido a cultura no campo, ter apreciado apresentações culturais diferentes e ter participado desse espaço é uma riqueza sem tamanho. Até nas mesas de refeição via-se jovens fortalecendo o debate em torno do tema, cultura, ruralidade, produção, dentre outros.

pomeranos

Jovens voltando das visitas, entusiasmados com o que viram, encantados com a região e dividindo a alegria com os outros. Houve uma fala que se concretizou facilmente entre os jovens presentes: essa foi a melhor jornada. Ter Gil, mediando o primeiro painel, um jovem referência de participação e compromisso com a responsabilidade de multiplicador, ter um segundo painel falando de cultura e arte no campo sobre o trabalho desenvolvido por jovens e ter sido um desses jovens, me orgulha. Não somente por ter feito parte diretamente, mas por ver que o trabalho realizado vai além do que se imagina. É reconhecer que somos aquilo que queremos ser. É reconhecer que o trabalho de formiguinha faz muita diferença.

Outro ponto importante foi a feira de produtos. Isso nos mostra que os jovens produzem e sabem muito sobre o que fazem. A diversidade estava presente, a alegria marcou, tudo numa sintonia perfeita para que a Jornada se tornasse o que foi. Reunir num mesmo espaço gente de todos os cantos, misturando seu sotaque, dividindo seus costumes e abraçando uns aos outros, isso é grandioso. É de não parar nunca de falar sobre. O mais importante é que saber que voltando para suas casas, para suas famílias e suas escolas, esses jovens levam uma grande bagagem e não deixam o debate morrer. Pelo contrário, uma vez tendo despertado para tal, vai crescendo como uma planta; floresce e frutifica fazendo jus às suas origens rurais.

feira de produtos regionais

Vale muito ressaltar a importância da Rede Jovem Rural, do Instituto Souza Cruz, das instituições participantes, da Baluarte e demais envolvidos. Deu trabalho, houveram desafios, mas tudo isso foi superado, com certeza. A equipe que produziu a Jornada desde cedo, sabe o que é fazer um evento para a diversidade e isso foi pensado com muito carinho. Deu certo.

Por fim, eu não tenho palavras e tudo o que disser não será suficiente para externar a alegria de estar no meio dos mais de 300 jovens que fizeram dessa a melhor jornada. Valeu. Obrigado!

* Clécio Santana é um líder jovem que desenvolve, através da arte e cultura, ações que perpassam pela valorização da identidade, ao mesmo tempo em que se reconhece enquanto jovem, rural, baiano, nordestino e brasileiro. Além disso, identifica o contexto e valoriza-se a partir das suas singularidades, militando em segmentos juvenis e culturais por um projeto de sociedade mais justa. A partir do teatro, Clécio manifesta seu pensamento, suas ideias e bandeiras de lutas. Articula, ainda, sua ação cultural de forma empreendedora, enquanto projeto de vida e economia criativa.

+ Imagens: Carlos Mafort.

Resquícios do V Intercâmbio…

8 de janeiro de 2015 | Publicado em Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira

Untitled-1

A quinta edição do Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira acabou em 2014, mas as memórias continuam vivas aqui na Rede Jovem Rural. Para relembrar a última etapa, realizada no Movimento de Organização Comunitária (MOC), na Bahia, veja o álbum de fotos da viagem no nosso Flickr.

Clique aqui!

E, ainda em tempo, FELIZ ANO NOVO PESSOAL!

Abrindo caminhos no Sisal

3 de dezembro de 2014 | Publicado em Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira

moc

A primeira parada do V Intercâmbio, na Bahia, foi no município de Retirolândia, que integra o território do Sisal. Os intercambistas foram acolhidos pelo Coletivo de Jovens do município, uma ação incentivada pelo Movimento de Organização Comunitária (MOC).

moc

Em Retirolândia, os visitantes pernoitaram nas casas das famílias dos integrantes do coletivo e tiveram a oportunidade de conhecer as ações da agência Mandacaru de Comunicação e Cultura.

geovânio moc

Os intercambistas também foram recebidos pelo prefeito do município, André Martins, e visitaram a propriedade de Geovânio Silva. O jovem participou do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) em uma parceria entre o Instituto Souza Cruz e o MOC.

moc

Com uma prioridade diversificada, Geovânio e sua mãe, Lucivânia Silva, adotaram inúmeras tecnologias para o melhor aproveitamento dos recursos hídricos, entre elas cisternas e barragens.

Ontem a turma seguiu para o município de Santaluz. Continue acompanhando o V Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira!

Fotos: Andrea Guedes.

Nordeste encerra V Intercâmbio

13 de novembro de 2014 | Publicado em Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira

cordel

Nas duas etapas finais do Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira, 10 jovens agricultores de todo o Brasil se reúnem em Pernambuco, entre 15 e 22 de novembro, e 11 participantes na Bahia, entre 30 de novembro e 06 de dezembro.

Realizada pela Rede Jovem Rural e coordenada pelo Instituto Souza Cruz, a quinta edição do Intercâmbio conta com a parceria do Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta), em Pernambuco, e do Movimento de Organização Comunitária (MOC), na Bahia.

O Serta desenvolve diversas ações, como o circuito de feiras agroecológicas de Recife e a propriedade modelo chamada Unidade Pedagógica Permacultural de Observação (Uppo). Os visitantes desembarcarão em Recife e seguirão para a sede da organização, em Glória do Goitá. Os participantes também pernoitarão nas casas de agricultores familiares, tendo um contato mais próximo com o dia a dia da zona da mata pernambucana.

Já na Bahia, a iniciativa passará pelos municípios de Feira de Santana, Serrinha, Retirolândia, Santaluz e Conceição do Coité. O intercâmbio será encerrado com um tour em Salvador.

Fala aí, juventude do V Intercâmbio!

8 de outubro de 2014 | Publicado em Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira

bahia_capixaba

“Muitas coisas me encantaram no Intercâmbio, principalmente a troca de experiências entre jovens de diferentes estados e os pessoas que nos acolheram no oeste catarinense, e os costumes que, apesar de parecidos com os da minha região, têm suas diferenças”.
Lediany Ferrarini, aluna do Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo (Mepes).

“Para mim, o Intercâmbio foi uma experiência inovadora. Gostei muito da cultura alemã e italiana da região. A equipe da Casa Familiar Rural de Saudades foi nota 10! Minha ideia, agora, é disseminar um pouco do que aprendi na viagem, principalmente discutir sobre sucessão familiar, um tema que não é muito falado em meu município”.
Anderson de Jesus, jovem do Movimento de Organização Comunitária (Moc), da Bahia.

* Lediany e Anderson participaram da segunda etapa do V Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira, realizado no oeste catarinense, entre 13 e 20 de setembro.

Encontro da Rede

21 de maio de 2014 | Publicado em Ligado na Rede


Abertura da V Jornada Nacional do Jovem Rural

Entre os dias 21 e 23 de maio, representantes das organizações que compõem a Rede Jovem Rural estarão reunidos no Centro de Formação do Mepes, em Piúma (ES), para elaborar conjuntamente o planejamento estratégico do grupo, que desenvolve iniciativas de cooperação e defesa conjunta da causa da juventude rural brasileira.

O encontro definirá as ações futuras a serem realizadas pela Rede para o alcance de seus objetivos. Os seis representantes são: Laudécio Carneiro da Silva (MOC), Sandro Cipriano Pereira (Serta), Roselei Grassi Bender (Arcafar/Sul), Padre Firmino Costa Martins (Mepes), Allan Grabarz (Instituto Souza Cruz) e Helen Janata (Instituto Souza Cruz).

Organizações participantes da V Jornada

19 de junho de 2013 | Publicado em Jornada Nacional do Jovem Rural

Confira a lista completa das organizações que participarão da IV Jornada Nacional do Jovem Rural:

Rede Jovem Rural

Arcafar/Sul (RS, SC e PR)
Cedejor (RS, SC e PR)
Instituto Souza Cruz (RJ)
MOC (BA)
Mepes (ES)
Serta (PE)

Organizações participantes

Adel (CE)
– AEFACOT (GO, MS, MT e TO)
AMEFA (MG)
– Arcafar/AM (AM)
Instituto Dom Moacyr – Escola da Floresta (AC)
– ETEC Canguçu (RS)
Funaci (PI)
Ibelga (RJ)
Instituto Formação (MA)
Uniagri (SC)

Apoio

Centro Paranaense de Referência em Agroecologia
– Delegacia Federal do MDA no Estado do Paraná
Prefeitura Municipal de Bocaiúva do Sul